Triste
Idosa que contraiu raiva humana após ser mordida por raposa morre na Paraíba
Ela estava na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) em estado grave

Publicado em 14/07/2020 10:07 - Atualizado em 14/07/2020 10:07

Foto/Reprodução

Do Click PB - Uma mulher de 68 anos que estava internada no Hospital Universitário (HU) Lauro Wanderley, em João Pessoa, após contrair raiva humana, faleceu no fim da tarde dessa segunda-feira (13), após cerca de três meses com a doença.

- CONTINUE DEPOIS DA PUBLICIDADE -

Ela havia sido mordida na mão por uma raposa, no dia 8 de abril, em Riacho dos Cavalos, no Sertão paraibano. A idosa precisou amputar parte da mão e após dar entrada no Hospital de Catolé do Rocha, foi transferida para o HU de João Pessoa, no dia 10 de junho.

Ela estava na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) em estado grave.

Este foi o primeiro caso de raiva humana registrado na Paraíba desde 2015, quando foi registrado um caso em Jacaraú.

Sobre a raiva

A raiva é uma doença infecciosa viral aguda, que acomete mamíferos, inclusive o homem, e é transmitida para os humanos pela saliva de animais infectados, principalmente por meio da mordedura, podendo ser transmitida também pela arranhadura ou lambedura desses animais.

O vírus ataca o Sistema Nervoso Central.

“Trata-se de uma doença extremamente aguda e com letalidade de 99,9%. Com base em orientações do Ministério da Saúde, a SES alerta a população para que redobre os cuidados preventivos, principalmente no trato de cães e gatos domiciliados, semi-domiciliados e de rua, além de outros animais como bois, porcos e cavalos. É muito importante evitar ao máximo os acidentes com esses animais e animais silvestres”, alertou a gerente executiva de Vigilância em Saúde da SES, Talita Tavares.

No Brasil e no mundo, os cães ainda são considerados responsáveis por mais de 90% da exposição do homem ao vírus da raiva e por mortes em seres humanos pela doença.

“No caso de agressão por parte de algum animal, a assistência médica deve ser procurada o mais rápido possível. Se for uma possível exposição ao vírus da raiva, é imprescindível a limpeza do ferimento com água corrente abundante e sabão ou outro detergente, em seguida antissépticos. A limpeza cuidadosa tem que ser feita o mais rápido possível após a agressão e repetida na unidade de saúde, independentemente do tempo transcorrido”, orientou o chefe do Núcleo de Zoonoses da Secretaria, Francisco de Assis Azevedo.

A vacinação anual de cães e gatos é eficaz na prevenção da raiva nesses animais, o que, consequentemente, previne também a raiva humana.

- CONTINUE DEPOIS DA PUBLICIDADE -

Deve-se sempre evitar se aproximar de cães e gatos sem donos, não mexer ou tocá-los quando estiverem se alimentando, com crias ou mesmo dormindo. A SES orienta, ainda, a nunca tocar em morcegos ou outros animais silvestres diretamente, principalmente quando estiverem caídos no chão ou encontrados em situações não habituais.


Contato
contato.novacruzoficial@bol.com.br

Direção Geral: 84 98718-8468