Saiba Mais
Moradora de Goianinha/RN que abandonou recém-nascido de 14 dias na BR-101 é solta da cadeia

Publicado em 02/09/2020 14:03 - Atualizado em 02/09/2020 14:03

Foto/Ilustrativa

Do Agora RNA mãe que abandonou seu bebê de apenas 14 dias dentro de uma bolsa às margens da BR-101, na Grande Natal, no último dia 22, vai responder pelo crime infanticídio em liberdade após ter sido solta nesta terça-feira 1º.

- CONTINUE DEPOIS DA PUBLICIDADE -

A prisão da mulher, que confessou o crime a Policia Civil, durou uma semana, visto que ela foi presa na terça-feira 25, no município de Goianinha, onde ela mora.

Logo em seguida, foi encaminhada para Delegacia de Macaíba, onde prestou depoimento e revelou que abandonou o bebê ainda com vida.

“De acordo com a mulher, que possui duas filhas, a criança seria fruto de um relacionamento ocasional e, por ela não ter condições financeiras, não poderia ficar com o filho. Segundo a suspeita, ela teria abandonado o bebê em local de passagem, para que ele fosse encontrado por alguém. A mulher afirmou ainda estar arrependida de ter abandonado o filho e provocado sua morte”, relatou o delegado Cidórgeton Pinheiro.

O caso

A detenção da mulher se deu no município de Goianinha. A ação ocorreu após o delegado ter solicitado à Justiça a prisão temporária da mulher. Ao ser ouvida na delegacia, ela confessou ter abandonado o bebê ainda com vida, no dia 22 de agosto, logo após receber alta do hospital onde permaneceu internada, na cidade de São José de Mipibu.

A criança nasceu no dia 10 de agosto.

De acordo com a mulher, que possui duas filhas, a criança seria fruto de um relacionamento ocasional e, por ela não ter condições financeiras, não poderia ficar com o filho. Segundo a suspeita, ela teria abandonado o bebê em local de passagem, para que ele fosse encontrado por alguém.

A mulher afirmou ainda estar arrependida de ter abandonado o filho e provocado sua morte.

“A princípio, estamos diante de um crime de abandono de recém-nascido, que resultou na morte do bebê. No entanto, diligências e exames periciais serão necessários para esclarecer se a morte foi provocada diretamente pela mãe e se ela estava em estado puerperal, o que, caso constatado, faz com que a conduta se enquadre como crime de infanticídio”, explicou o delegado Cidorgeton Pinheiro, responsável pela investigação. Em ambos os casos, a pena pode variar entre 2 a 6 anos de detenção.


Contato
contato.novacruzoficial@bol.com.br

Direção Geral: 84 98718-8468