Nordeste
Obra de transposição vaza e 2 mil pessoas são retiradas de casa no CE
O ministro Rogério Marinho foi ao local nesta manhã para avaliar os danos causados

Publicado em 23/08/2020 09:45 - Atualizado em 23/08/2020 09:45

Foto/Reprodução

Cerca de 2 mil pessoas precisaram sair de casa após o rompimento de um dos condutos da barragem de Jati, no município homônimo, no Ceará, na sexta-feira (21). A obra faz parte do eixo norte da transposição do Rio São Francisco, cujo trecho teve as comportas abertas na quinta-feira (20), pelo ministro do Desenvolvimento Regional, Rogério Marinho. Segundo o governo, o vazamento foi contido.

- CONTINUE DEPOIS DA PUBLICIDADE -

Em nota, o Ministério do Desenvolvimento Regional disse que a evacuação dos moradores que residem em um raio de dois quilômetros foi realizada de “forma preventiva” e “zelando pela preservação de vidas em primeiro lugar”. Imagens divulgadas em redes sociais mostram que o rompimento causou a vazão de grande quantidade de água.

O ministro Rogério Marinho foi ao local nesta manhã para avaliar os danos causados pelo rompimento de um dos condutos da barragem homônima, na tarde de ontem. “Acabamos de chegar em Jati. Farei uma visita ao local acompanhado do Secretário Nacional de Defesa Civil, coronel Alexandre Lucas. Vamos à barragem para avaliar os danos causados pelo vazamento. Cabe ressaltar que o trabalho de recuperação já foi iniciado”, afirmou Marinho no Twitter.

“Também visitaremos as famílias que foram obrigadas a sair de suas casas, atendendo às medidas de segurança previstas no Plano de Ação Emergencial. Tomamos todas as medidas necessárias para preservar as vidas em primeiro lugar. O vazamento foi contido ainda na noite passada”, acrescentou Marinho hoje, em seu perfil na rede social.

O ministro disse estar em contato permanente com o governador do Ceará, Camilo Santana, e com a prefeita de Jati, Neta de Toim, a pedido do presidente Jair Bolsonaro. A barragem faz parte do trecho 1 (Jati-Cariús) do chamado Cinturão das Águas do Ceará e deve garantir o abastecimento de 4,5 milhões de pessoas da região metropolitana de Fortaleza.

Segundo a pasta, pela falta de iluminação durante a noite e a madrugada, houve uma “dificuldade de avaliação técnica da estrutura” e, por isso, a “prioridade foi garantir a segurança” da população. O volume de água atingiu a rede elétrica que atende a estrutura, o que exigiu a instalação de um gerador para garantir o fechamento da comporta.

Mais cedo, às 19h10, o governo havia comunicado que engenheiros e a Defesa Civil tinham avaliado que não havia riscos à infraestrutura e às regiões do entorno. O ministério informou, ainda, que as famílias ficarão em hotéis, pousadas, alojamentos e casas de familiares e amigos “até que sejam feitas todas as avaliações técnicas das estruturas do reservatório”.

Foto: Adalberto Marques/MDR

“A medida segue o Plano de Ação Emergencial (PAE) elaborado para o empreendimento. Os moradores estão sendo informados por meio de carros de som e por profissionais da defesa civil local e da empresa operadora, que também estão indo diretamente às residências”, diz nota.

A barragem faz parte do trecho 1 (Jati-Cariús) do chamado Cinturão das Águas do Ceará. Na quinta-feira, o ministro Marinho foi à Jati acionar as comportas para permitir a passagem das águas.

- CONTINUE DEPOIS DA PUBLICIDADE -

Segundo o governo, o reservatório chegou a 94,8% da capacidade nesta semana e vai garantir o abastecimento de 4,5 milhões de pessoas da região metropolitana de Fortaleza.

Com informações de Estadão e R7


Contato
contato.novacruzoficial@bol.com.br

Direção Geral: 84 98718-8468