Atenção
Anvisa passa a exigir receita médica para venda de ivermectina em farmácias
A mudança ocorre em meio a um aumento na busca pelo medicamento nas farmácias.

Publicado em 24/07/2020 18:15 - Atualizado em 24/07/2020 18:15

Foto/Reprodução

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) criou uma norma que determina que farmácias passem a exigir receita em duas vias para venda do vermífugo ivermectina, com a primeira via sendo retida pelo estabelecimento.  A medida foi publicada, nesta quinta-feira (23), na Resolução da Diretoria Colegiada (RDC) 405/2020, que estabelece regras de controle específicas para a prescrição, a dispensação e a escrituração de quatro fármacos: cloroquina, hidroxicloroquina, nitazoxanida e ivermectina. 

- CONTINUE DEPOIS DA PUBLICIDADE -

A medida muda o controle sobre esse tipo de medicamento, que é indicado para sarna, piolho e parasitas intestinais. Até então, a exigência era apenas de apresentação de uma via de receita simples, o que, na prática, é pouco cobrado pelas farmácias.

A mudança ocorre em meio a um aumento na busca pelo medicamento nas farmácias.

Segundo a Anvisa, o objetivo da norma é coibir a compra indiscriminada de medicamentos que têm sido amplamente divulgados como potencialmente benéficos no combate à infecção humana pelo novo coronavírus (Sars-CoV-2), embora ainda não existam estudos conclusivos sobre o uso desses fármacos para o tratamento da Covid-19. 

Ainda de acordo com a agência, a nova regra visa também manter os estoques destinados aos pacientes que já possuem indicação médica para uso desses produtos, uma vez que os fármacos elencados na Resolução são usados no combate e controle de outras doenças, como a malária (cloroquina e hidroxicloroquina); artrite reumatoide, lúpus e outras (hidroxicloroquina); doenças parasitárias (nitazoxanida); e tratamento de infecções parasitárias (ivermectina). 

A mudança impacta especialmente a venda de ivermectina, já que os medicamentos à base de cloroquina, hidroxicloroquina e nitazoxanida já estavam sujeitos à retenção de receita, pelo fato de terem sido anteriormente incluídos em portaria do Ministério da Saúde, que trata do regulamento técnico sobre substâncias e medicamentos sujeitos a controle especial. 

Do Portal da Tropical

Retorno das aulas no RN pode colocar em risco a saúde de 212 mil pessoas

A volta às aulas presenciais no Rio Grande do Norte, marcada provisoriamente para o dia 17 de agosto, representa potencial risco para 212 mil potiguares, segundo dados da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz). O grupo é formado por idosos e os adultos com problemas crônicos de saúde que convivem diariamente com crianças e adolescentes em idade escolar (4 aos 17 anos).

A quantidade de pessoas que ficará exposta ao novo coronavírus foi calculada por análise da Fiocruz com base na Pesquisa Nacional de Saúde (PNS 2013), do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Os pesquisadores relacionaram os dados das crianças em idade escolar e os dados dos grupos populacionais que se encontram nos chamados grupos de risco da Covid-19: adultos (entre 18 e 59 anos) com alguma comorbidade (diabetes, doença do coração ou doença do pulmão) e os idosos (com 60 ou mais anos).

- CONTINUE DEPOIS DA PUBLICIDADE -

Com isso, o estudo aponta que 6,05% dos potiguares se encontra em situação de risco potencial de contaminação pelo novo coronavírus. O valor é o maior de todo País, segundo a pesquisa da Fiocruz.

Segundo o estudo, a população potiguar com algum tipo de problema crônico de saúde representa um total de 74,2 mil pessoas. Já os idosos são 137,8 mil, o que representa 3,93% da população. O Estado, inclusive, também tem o maior número relativo de idosos.

Ainda de acordo com Fiocruz, a partir de um boletim sobre a retomada das atividades educacionais, a volta às aulas só poderá acontecer com a transmissão da Covid-19 controlada. A rede hospitalar deve disponibilizar pelo menos 30% de leitos disponíveis.Além disso, é necessária a diminuição do número de mortes pelo menos nas últimas três semanas. Por fim, o sistema de saúde deve estar pronto para detectar, testar, isolar e tratar pacientes e rastrear contatos.

As escolas precisam ter um plano detalhado de medidas sanitárias, higienização e garantia de distanciamento entre as pessoas. Isso porque o retorno da atividade escolar, segundo a Fiocruz, coloca os estudantes em potenciais situações de contágio. Mesmo que sejam adotadas medidas de segurança, a falta de controle sobre o comportamento dos estudantes representam potenciais situações de contaminação por Covid-19. “O problema é que, se forem contaminados, esses jovens poderão levar o vírus Sars-CoV-2 para dentro de casa e infectar parentes de todas as idades que tenham doenças crônicas e outras condições de vulnerabilidade à Covid-19”, explica o instituto.


Contato
contato.novacruzoficial@bol.com.br

Direção Geral: 84 98718-8468