Postado em 06 de Dezembro de 2017 ás 07:07 h
Reforma da Previdência protegerá pobres que ‘pagam pelos que ganham muito no serviço público’, diz Temer
Temer discursa durante premiação em São Paulo (Foto: Jales Valquer/Fotoarena/Estadão Conteúdo)
Publicidade

Do G1 - O Presidente Michel Temer afirmou na noite desta terça-feira (5), durante premiação em São Paulo, que a reforma da Previdência visa acabar com privilégios e irá proteger pobres que, segundo ele, "pagam pelos que ganham muito no serviço público"

"A Reforma da Previdêcia, na verdade, visa [...] precisamente a combater os privilégios. Porque, na verdade, o que reforma da Previdência faz é proteger os pobres que, na verdade, pagam pelos que ganham muito no serviço público. A ideia da igualdade, que tantas vezes foi aqui apregoada, é a força motriz da reforma da Previdência”, declarou.

Temer também disse em seu discurso haver informações equivocadas sobre a mudança no sistema previdenciário e quer é preciso eliminar "certos preconceitos", negando que "a partir de amanhã" já estariam valendo exigência dos 65 anos para se aposentar.

“Valeria a pena, talvez, dizer que, na verdade, hoje se aposenta o homem com 55 anos e a mulher, com 53. E que ao longo de 20 anos é que se vai atingir a idade limite de 60 anos”, afirmou. Logo em seguida, no entanto, Temer deixou de detalhar o assunto e disse que "não vale a pena tratar desses temas", para voltar a falar da premiação.

Principais mudanças

O governo cedeu em vários itens em relação a sua proposta inicial, reduzindo a reforma a quatro pontos principais:

 11

  • Idade mínima de aposentadoria, com a regra de transição até 2042; 62 anos para mulheres e 65 para homens (INSS e servidores); 60 para professores de ambos os sexos; 55 anos para policiais e trabalhadores em condições prejudiciais à saúde;
  • Tempo mínimo de contribuição de 15 anos para segurados do INSS e de 25 anos para servidores públicos;
  • Novo cálculo do valor da aposentadoria, começando de 60% para 15 anos de contribuição até 100% para 40 anos;
  • Receitas previdenciárias deixam de ser submetidas à DRU (Desvinculação de Receitas da União)
Por: Nova Cruz Oficial
Comentários ()
Publicidade
Publicidade