Postado em 12 de Junho de 2018 ás 18:22 h
Sem conseguir reconquistar a ex, advogado potiguar manda fatura do que gastou com encontros, para ela pagar
Foto/Reprodução
Publicidade

O cavalheirismo parece ter entrado em extinção no auge do século 21. Qual a escala de esperança? Nenhuma se olharmos a curtíssima “história de amor” entre um advogado e uma médica natalenses, cujos nomes não serão divulgados.

A esperança de relacionamento romântico, adoçado com encontros e buquês de flores, acabou virando a história do príncipe virou sapo, em apenas 42 dias. A médica não se apaixonou pelos “encantos” do advogado, diz ela que a ele faltava o “talento” necessário para leva-la às nuvens. Se é que me entendem.

Conta a historia que ele insistiu em manter o romance, mas ao ser rejeitado, mandou uma carta para ela. De amor? Não. De cobrança.

Ele deixou o cavalheirismo em casa e foi até o prédio da moça, pedir ao porteiro que entregasse a ela uma fatura na qual ele contabilizou as refeições, mimos e rosas com as quais tentou encantá-la, somou (e ainda errou na soma) e indicou banco e conta na qual ela deveria depositar R$ 685,00, para o “acerto de contas” que ele julga “salutar” pelo fim de suas esperanças de tê-la de volta.

Perplexa, a médica concluiu que o ex agiu com “recalque total”. “Ele achou que, pelo menos meu bolso, seria sensível a alguma provocação dele. Já que nada mais tem surtido efeito”, ironizou. E, sem pena, cravou: “Considero que o preço ainda foi caro pelos ‘serviços prestados’”.

a

“Temos personalidades muito diferentes e estamos em momentos incompatíveis”, justificou a médica, que deixou o advogado cantando sozinho “eu, você, dois filhos em um cachorro”, em pleno Dias dos Namorados.

Do Portal no Ar

Por: Nova Cruz Oficial
Comentários ()