Postado em 15 de Março de 2019 ás 20:02 h
Preso zelador suspeito de cometer abusos em banheiro de escola particular na Paraíba
Foto/Reproducao
Publicidade

O zelador que é suspeito de ter envolvimento nos abusos sexuais realizados dentro do banheiro de uma escola particular localizada no bairro de Tambaú, em João Pessoa, foi preso no fim da tarde desta sexta-feira (15), segundo informou a Polícia Civil. O homem foi levado para carceragem da Central de Polícia, no bairro do Geisel, na capital do estado. A expectativa é que o suspeito passe pela audiência de custódia já neste sábado (16).

Outros três adolescentes de 13, 14 e 17 suspeitos de cometerem a violência sexual no horário da aula estão apreendidos. Eles foram encaminhados ao Centro Educacional do Adolescente (CEA), no bairro de Mangabeira. Um quarto adolescente, também suspeito de envolvimento nos crimes, ainda não foi localizado e segue sendo procurado. O advogado de defesa pediu o habeas corpus dos adolescentes apreendido, mas a Justiça acabou negando.

Em entrevista ao portal OP9, o delegado responsável pelo caso, Gustavo Carlleto, relatou que a denúncia partiu de familiares de uma das vítimas, após ela contar aos pais e colegas o que ocorria no banheiro da escola. “O garoto disse aos pais e amigos que estava sofrendo abusos sexuais. Em seguida, os pais da vítima procuraram a polícia”, informou.

Envolvimento de zelador nos abusos

O zelador da escola particular localizada no bairro de Tambaú, em João Pessoa, também é suspeito de participar dos abusos sexuais realizados por alunos dentro do banheiro da instituição. A informação foi revelada pela delegada Joana D’Arc, na terça-feira (12). Ele foi demitido da escola em maio de 2018, assim que a instituição de ensino soube das ações.

Na segunda-feira (11), a escola em que os abusos eram cometidos emitiu uma nota oficial explicando que desde que tomou conhecimento dos casos busca junto ao poder público a apuração dos fatos.

Responsabilidade da escola

A Promotoria de Justiça de Defesa da Educação também vai apurar se houve negligência da escola no tratamento do caso. Um primeiro pedido de prisão preventiva do ex-funcionário já havia sido feito no momento da denúncia, mas foi negado pelo juiz. Após o surgimento de novos fatos, foi solicitada novamente a prisão preventiva do ex-zelador, que também foi negado. Só na terceira vez que o homem acabou sendo preso.

Do OP9

Por: Nova Cruz Oficial
Comentários ()