Investigação
Crianças são “alugadas” por R$ 30 para pedir em sinais e supermercados do RN
Polícia Federal deve agir em breve para desmontar o “esquema”

Publicado em 15/06/2022 15:37 - Atualizado em 15/06/2022 15:37

Foto/Reprodução

A auditora-fiscal do Ministério Público do Trabalho (MPT), Marinalva Dantas, revelou um esquema de exploração infantil no Rio Grande do Norte.

- CONTINUE DEPOIS DA PUBLICIDADE -

Com um dossiê “em mãos”, Marinalva afirma que crianças de dez cidades da Região Metropolitana estariam sendo alugadas para pessoas de Natal, com o intuito de fazê-las pedir dinheiro e alimentos.

Conforme revelado pela auditora, que possui vasta experiência na libertação de pessoas em situações análogas à escravidão, o valor cobrado pelos pais é de, em média, R$ 30 para ceder os garotos. Ainda de acordo com Marinalva, informações já foram entregues às autoridades e a Polícia Federal deve agir em breve para desmontar o “esquema”.

“A mendicância é um crime previsto no código penal. Quem pratica isso e leva criança junto ou obriga a trabalhar assim é criminoso também. As pessoas acham que estão ajudando quando dão uma lata de leite no caixa de um mercado, na verdade estão colaborando com o crime organizado. Muita gente tem pena. Gente, a maioria são alugadas, por R$ 30 a diária e são trazidas de dez municípios ao redor de Natal. Tudo já está mapeado e só falta uma denúncia formal ao MPF, pois são condições análogas à escravidão. A Polícia Federal vai começar a agir”, relata a auditora.

O Ministério Público do Trabalho realiza, nesta quarta-feira 15, uma audiência para discutir políticas públicas de combate ao trabalho infantil.

Conforme números coletados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o RN tem 4,8 mil crianças e adolescentes, com idades inferiores a 14 anos, trabalhando.

96 FM


250 x 100
Contato
contato.novacruzoficial@bol.com.br

Direção Geral: 84 98718-8468